Notícias

Ação contra Dallagnol mostra que Lula não tem argumentos, afirma Miguel Haddad

Alvo de três denúncias no âmbito da Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva segue sua tática de tentar desqualificar a operação sem apresentar argumentos consistentes para se defender das acusações que vêm sendo feitas contra ele. A mais nova prova desta postura foi dada nesta quinta-feira (15) pelos advogados do ex-presidente, que protocolaram uma ação contra o procurador da República Deltan Dallagnol pedindo R$ 1 milhão de indenização por danos morais.

Alvo de três denúncias no âmbito da Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva segue sua tática de tentar desqualificar a operação sem apresentar argumentos consistentes para se defender das acusações que vêm sendo feitas contra ele. A mais nova prova desta postura foi dada nesta quinta-feira (15) pelos advogados do ex-presidente, que protocolaram uma ação contra o procurador da República Deltan Dallagnol pedindo R$ 1 milhão de indenização por danos morais.

Como informa matéria publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, a defesa do petista alega que Dallagnol “promoveu injustificáveis ataques à honra, imagem e reputação” de Lula ao conceder uma entrevista coletiva em 14 de setembro classificando o ex-presidente como o “comandante máximo” do esquema de corrupção instalado na Petrobras.

Tal postura adotada por Lula e sua defesa revela, na opinião do deputado federal Miguel Haddad (PSDB-SP), que o petista tem como único recurso tentar desqualificar todos os agentes da Lava Jato.

“O ex-presidente Lula, em todas as vezes em que tem um indiciamento, uma denúncia, tenta, através de ação ou através de discurso, desqualificar, ao invés de justificar, de tentar contrapor as razões. Ele tenta desqualificar as pessoas. Ele fez isso com o juiz Sergio Moro, está fazendo agora com o Ministério Público. O sentimento é de que faltam argumentos, faltam justificativas e ele se utiliza desse subterfúgio. Ele não tem argumentos suficientes para se defender”, avaliou o parlamentar.

Além de apresentar a ação contra Dallagnol, a defesa do ex-presidente afirmou que Lula é alvo de uma “perseguição” do Ministério Público Federal após o petista ser denunciado na Lava Jato pelo suposto envolvimento em um sistema de propinas pagas pela empreiteira Odebrecht. Como destaca reportagem do Estadão, Cristiano Zanin Martins denominou a denúncia apresentada contra seu cliente como uma “peça de ficção”.

Miguel Haddad também criticou essa posição, destacando que os seguidos ataques contra à Lava Jato já viraram uma “marca” do ex-presidente e refletem o desespero do petista com os rumos da Operação Lava Jato.

“É uma marca, é uma forma de defesa de quem não tem argumentos. Quando você não quer abordar o mérito, você começa a sofismar e cria essa cortina de fumaça que é tentar desqualificar quem apresenta as denúncias, quem julga, no caso do juiz Sergio Moro, e no caso do Ministério Público, quem apresenta a denúncia. Isso demonstra, de fato, um desespero do ex-presidente Lula”, criticou Haddad.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2gRGlP2