Notícias

Aliado do PT, governo Maduro leva venezuelanos a buscar água e comida no Brasil

O desabastecimento na Venezuela tem atingido níveis recordes desde o ano passado, quando o caos que assola o país deu um salto devido ao agravamento das crises política e econômica. Sem alternativas no país comandado por Nicolás Maduro, aliado da presidente afastada Dilma Rousseff e do PT, os venezuelanos vão em massa para as fronteiras em busca de comida e remédios. A cidade de Pacaraima, que fica no norte de Rondônia, tem recebido diariamente centenas de pessoas, e os comerciantes locais temem a falta de itens básicos na região.

18 de julho de 2016

O desabastecimento na Venezuela tem atingido níveis recordes desde o ano passado, quando o caos que assola o país deu um salto devido ao agravamento das crises política e econômica. Sem alternativas no país comandado por Nicolás Maduro, aliado da presidente afastada Dilma Rousseff e do PT, os venezuelanos vão em massa para as fronteiras em busca de comida e remédios. A cidade de Pacaraima, que fica no norte de Rondônia, tem recebido diariamente centenas de pessoas, e os comerciantes locais temem a falta de itens básicos na região.

A grave crise tem levado os venezuelanos também para a Colômbia. Em Cúcuta, cidade situada na região dos Andes, mais de 35 mil habitantes ingressaram nas primeiras quatro horas de abertura temporária da fronteira, após 11 meses de fechamento. As raízes do caos, segundo especialistas, estão na forte queda no preço do petróleo desde 2014.

Para o deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), é lamentável que um país com grande potencial seja sufocado por doutrinas políticas opressoras.

“Um país tão próspero e rico em terras férteis deveria ter o seu abastecimento feito pela própria nação venezuelana. Não precisaria importar nenhum grão de arroz ou feijão. Isso mostra que esse bolivarianismo capenga que há na Venezuela e em outros países correlatos só traz miséria, pobreza e perseguição politica aos que são contrários ao governo”, afirmou o deputado.

Hauly ressalta que a péssima relação entre o governo venezuelano e os setores produtivos é também responsável pela crise generalizada. Quase 80% dos produtos básicos estão em falta no país.

“É um rompimento com as classes produtoras, não só industrial e comercial, mas também agrícola e pecuária. Por isso eles estão estrangulados. Perseguiram e criaram problemas contra aqueles que são empreendedores e produtores da Venezuela.”

O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, afirma que a crise é parte de uma guerra econômica e acusa a oposição de golpismo. Apesar da economia em declínio e da fama de mau pagador, o país já recebeu do Brasil, durante os governos do PT, subsídios do BNDES.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/29PkJFN