Notícias

Depois do “petrolão”, programa de remédios da Petrobras é alvo de fraudes

Um programa destinado à compra de remédios se transformou em mais uma fonte de fraudes na Petrobras. O uso ilegal do benefício, que atende cerca de 300 mil funcionários da estatal, causou prejuízos mensais de até R$ 60 milhões. O valor corresponde a um terço dos gastos totais do programa. Reportagem exibida pelo “Fantástico”, da TV Globo, no último domingo (26), revelou pelo menos 13 mil receitas com reembolso irregular. Até um cachorro teve a conta da farmácia bancada pelos cofres da empresa.

27 de junho de 2016

Um programa destinado à compra de remédios se transformou em mais uma fonte de fraudes na Petrobras. O uso ilegal do benefício, que atende cerca de 300 mil funcionários da estatal, causou prejuízos mensais de até R$ 60 milhões. O valor corresponde a um terço dos gastos totais do programa. Reportagem exibida pelo “Fantástico”, da TV Globo, no último domingo (26), revelou pelo menos 13 mil receitas com reembolso irregular. Até um cachorro teve a conta da farmácia bancada pelos cofres da empresa.

Os desvios foram descobertos depois que uma nova empresa à frente da administração do programa passou um pente-fino e encontrou notas em branco, sem data, e sem o nome do médico. Os resultados foram encaminhados para a Secretaria de Controle Externo de Estatais do Tribunal de Contas da União.

Para o deputado federal Bruno Covas (PSDB-SP), a fraude é um desrespeito às pessoas que realmente precisam do serviço.

“Esqueceram que por trás dos números, dos valores, existem pessoas. Hoje as pessoas estão tendo que pagar por um prejuízo que tiveram dessa gestão irresponsável e corrupta. Onde eles puderam meter a mão, acabaram se lambuzando, chegando inclusive a pegar recursos de remédio dos servidores da Petrobras”, afirmou.
Bruno Covas disse que o esquema se soma aos vários casos de corrupção e lavagem de dinheiro dentro da estatal instalados durante o governo do PT. “Este episódio lembra que a sanha arrecadadora do PT para distribuição de recursos aos seus aliados, para compra de votos, para compra de pessoas, não tinha limites e pudores. Onde puderam, eles avançaram. “

O Tribunal de Contas vai julgar se a Petrobras deve encerrar o programa ou criar novos mecanismos de controle para essas compras.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/293lh93