Notícias

Dilma fez uso irregular dos Correios para enviar panfletos nas eleições, diz TCU

O Tribunal de Contas da União (TCU) confirmou nesta quarta-feira (28) irregularidades na distribuição de 4,8 milhões de santinhos da ex-presidente Dilma Rousseff pelos Correios na sua campanha à reeleição em 2014. O material não tinha a “chancela” do órgão, ou seja, foi entregue sem o carimbo de pagamento que viabiliza a distribuição legal das correspondências. O ministro Benjamin Zymler pediu que o caso vá para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

28 de setembro de 2016

Brasília (DF) – O Tribunal de Contas da União (TCU) confirmou nesta quarta-feira (28) irregularidades na distribuição de 4,8 milhões de santinhos da ex-presidente Dilma Rousseff pelos Correios na sua campanha à reeleição em 2014. O material não tinha a “chancela” do órgão, ou seja, foi entregue sem o carimbo de pagamento que viabiliza a distribuição legal das correspondências.

O ministro Benjamin Zymler pediu que o caso vá para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Em março, uma auditoria da corte apontou fraude, descontrole e descumprimento de normas na operação que custou, ao todo, prejuízo de R$ 80 mil à estatal. Na época, relatórios do tribunal pediam que funcionários dos Correios fossem multados por viabilizar a entrega desses panfletos.

O caso foi revelado em setembro de 2014. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, os Correios teriam distribuído para as residências de municípios do interior de São Paulo panfletos da campanha da petista que estavam sem a chancela (espécie de carimbo) necessária para que a operação ocorra oficialmente.

Na época, a direção do órgão defendeu a operação, afirmando que ela não causou prejuízo, que era permitida por normas internas e que os pagamentos foram feitos pelo PT normalmente.

A partir de uma denúncia do Ministério Público, o TCU iniciou uma apuração do caso e a análise dos técnicos do órgão apontou que a norma que a diretoria dos Correios alegou permitir a distribuição sem chancela falava apenas de distribuição com chancela fora dos padrões, concluindo que os panfletos não carimbados não poderiam ter sido entregues pela estatal.

Ainda segundo a reportagem, o maior problema, contudo, foi apontado na pesagem do material. O autor da denúncia, promotor Julio Marcelo de Oliveira, reiterou que o trabalho dos auditores mostrou que os controles de pesagem para a remessa de panfletos da campanha presidencial foram completamente fora do padrão dos Correios.

Entre as fraudes identificadas, foram encontradas assinaturas de pessoas que não estavam trabalhando no momento em que o material foi pesado.

Clique aqui para ler a íntegra da matéria.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2dkXJhP