Notícias

Dilma prepara ‘carta a brasileiros’ para tentar escapar do impeachment

Na tentativa de imitar seu antecessor e preocupada com a proximidade da votação do impeachment no Senado, a presidente afastada Dilma Rousseff está escrevendo uma nova “carta aos brasileiros”. No documento revelado pelo jornal Valor Econômico nesta quinta-feira (30), ela afirma que foi “sabotada” pela direita e por “pautas-bombas” aprovadas pelo Congresso. Além disso, ela promete, se voltar ao cargo, retomar o programa que apresentou na campanha eleitoral, abandonado pela petista ao longo do seu segundo mandato.

30 de junho de 2016

Na tentativa de imitar seu antecessor e preocupada com a proximidade da votação do impeachment no Senado, a presidente afastada Dilma Rousseff está escrevendo uma nova “carta aos brasileiros”. No documento revelado pelo jornal Valor Econômico nesta quinta-feira (30), ela afirma que foi “sabotada” pela direita e por “pautas-bombas” aprovadas pelo Congresso. Além disso, ela promete, se voltar ao cargo, retomar o programa que apresentou na campanha eleitoral, abandonado pela petista ao longo do seu segundo mandato.

Segundo matéria publicada nesta quinta-feira (30) pelo jornal, a carta de Dilma, na verdade, é a carta aos brasileiros que o ex-presidente Lula da Silva lançou nas eleições de 2002, numa espécie de “abertura” para o mercado financeiro, que então o viam com desconfiança. O objetivo da carta seria, além de tentar salvar o mandato de Dilma, criar um novo discurso do PT para as eleições de 2016 e 2018 – em que Lula já se coloca como pré-candidato.

O deputado federal Bruno Covas (PSDB-SP) criticou a iniciativa da petista e acredita ser tarde para que uma carta recupere a sua credibilidade. “Acho que ela não percebeu ainda que qualquer coisa que ela escrever não vai ser levada a sério. Até porque se ela acreditasse nas próprias propostas, ela teria feito durante os seis anos em que foi presidente da República. Não vai ser uma carta, nessa altura do campeonato, que vai mudar o que as pessoas pensam dela“, disse o deputado.

O tucano ressaltou que, se essa carta for mesmo divulgada, será o último gesto da petista como presidente. “É o fim da linha ela achar que vai convencer o Brasil escrevendo uma nova carta. A crise que o país vive hoje é fruto daquilo que o PT plantou nos últimos 13 anos. Ela participou ativamente da implementação dessa crise. A única carta que a gente aguarda é a carta de despedida dela”, concluiu.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/298yzCO