Notícias

Em encontro de sindicalistas, Lula é alvo de protesto

Réu em cinco ações penais, sendo três delas no âmbito da Operação Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi alvo de protesto nesta quinta-feira (12) durante um discurso em que defendia as conquistas de seu governo, em um encontro de Sindicalistas, em Brasília. Ao chegar ao 33º Congresso Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE), um grupo de cerca de 30 representantes de uma entidade sindical, a CSP Conlutas, fez um ato contra o ex-presidente.

Brasília (DF) – Réu em cinco ações penais, sendo três delas no âmbito da Operação Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi alvo de protesto nesta quinta-feira (12) durante um discurso em que defendia as conquistas de seu governo, em um encontro de Sindicalistas, em Brasília. Ao chegar ao 33º Congresso Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE), um grupo de cerca de 30 representantes de uma entidade sindical, a CSP Conlutas, fez um ato contra o ex-presidente.

De acordo com o jornal O Globo desta sexta (13), eles se viraram de costas para o petista segurando cartazes da entidade. Um dos representantes, Cristiano Florencio, afirmou que a manifestação era para demonstrar que Lula não os representava. No momento em que o petista começou a discursar, eles foram fortemente vaiados e acabaram deixando o recinto.

“Nosso ato é contra a interferência do ex-presidente nas nossas questões. Isso é um congresso de trabalhadores e queremos independência de qualquer patrão. Ele não representa mais os trabalhadores”, afirmou.

Em seu discurso, Lula insinuou que será candidato à Presidência novamente. Segundo ele, é preciso “conquistar o direto de votar outra vez, quem sabe em 2017”. “Se cuidem, porque se eu voltar a ser candidato a presidente da República, é para fazer muito mais do que nós fizemos. Quem é que vai tirar o país da lama em que ele se encontra?”, disse.

Segundo a reportagem, o PT quer lançar logo a campanha de Lula ao Palácio do Planalto com o objetivo de criar um fato político e ter argumentos para dizer que ele é vítima de “perseguição”, caso seja impedido de concorrer pela Justiça. Caso o ex-presidente seja condenado em segunda instância, não poderá disputar a eleição, por causa das restrições impostas pela Lei da Ficha Limpa.

O petista ainda saiu em defesa da ex-presidente Dilma Rousseff, dizendo que ela teria cometido apenas o “equívoco” de promover desonerações para aumentar os empregos e que a culpa por “quebrar” o país foi dos “golpistas”.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2jnD1Rm