Notícias

Em NY, Temer apresenta reformas e tenta atrair investidores

Em sua primeira visita aos Estados Unidos como presidente da República, Michel Temer dividirá a agenda entre a Assembleia-Geral das Nações Unidas e um encontro com investidores e empresários, promovido pelo Conselho das Américas. Em ambos os eventos, o presidente deverá expor as mudanças que implementará no Brasil, com o objetivo de tirar o país da crise. Aos investidores, Temer reforçará os projetos de infraestrutura divulgados na semana passada.

19 de setembro de 2016

Em sua primeira visita aos Estados Unidos como presidente da República, Michel Temer dividirá a agenda entre a Assembleia-Geral das Nações Unidas e um encontro com investidores e empresários, promovido pelo Conselho das Américas. Em ambos os eventos, o presidente deverá expor as mudanças que implementará no Brasil, com o objetivo de tirar o país da crise. Aos investidores, Temer reforçará os projetos de infraestrutura divulgados na semana passada. Para o deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), a postura de Temer deve reforçar a importância do Brasil no contexto mundial e colaborar com a recuperação da credibilidade econômica do país entre investidores internacionais.

“Finalmente temos um Presidente da República à altura do país, que nos representará muito bem em Nova York, nos Estados Unidos, e onde ele for. E tenho certeza absoluta de que será de extrema valia para a economia brasileira. O Brasil passa a ganhar cada vez mais importância no contexto mundial”, declarou Hauly.

O deputado, que é também vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara, lembra que já na primeira viagem internacional, depois de efetivado na Presidência, Temer reiterou o interesse do Brasil em parcerias para investimentos em área de infraestrutura e no fortalecimento de relações comerciais. Para o tucano, o presidente conquistou o reconhecimento internacional.

“Ele esteve na China e foi um sucesso. Os investimentos estão vindo para o Brasil, além do reconhecimento da China sobre a democracia brasileira e a legitimidade do governo Michel Temer”, destacou.

Outros temas, como a questão dos refugiados e o Acordo de Paris – que estabelece metas de redução das emissões que provocam o efeito estufa – também serão debatidos com a ONU e demais representantes dos países em Nova York.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2cAa79O