Notícias

Governo estuda ampliar Minha Casa Minha Vida para classe média

O governo do presidente Michel Temer estuda incluir novas famílias de classe média no programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV). A inciativa ainda está em discussão e será apresentada em reunião dos ministérios da Fazenda, do Planejamento e da Casa Civil nesta quinta-feira (15), em que também será concluído o pacote de medidas econômicas a serem anunciadas pelo governo. Desde que o assumiu o Ministério das Cidades, o deputado licenciado Bruno Araújo (PSDB) vem aumentando a esfera de atuação do MCMV no novo governo.

O governo do presidente Michel Temer estuda incluir novas famílias de classe média no programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV). A inciativa ainda está em discussão e será apresentada em reunião dos ministérios da Fazenda, do Planejamento e da Casa Civil nesta quinta-feira (15), em que também será concluído o pacote de medidas econômicas a serem anunciadas pelo governo.

Desde que o assumiu o Ministério das Cidades, o deputado licenciado Bruno Araújo (PSDB) vem aumentando a esfera de atuação do MCMV no novo governo. A pasta retomou mais de sete mil obras que estavam paralisadas na Faixa 1 do programa e, a partir do ano que vem, mais obras serão reiniciadas em nove estados brasileiros. Agora, ministérios e governo federal analisam a possibilidade de ampliar o direito ao financiamento de casas.

O deputado federal Max filho (PSDB-ES) acredita que a ampliação do programa é uma boa notícia para a população que vai poder contar com o benefício para outra faixa de renda. “O ministro Bruno Araújo já mostrou ser um competente parlamentar e agora está mostrando ser um excelente gestor desempenhando muito bem o papel na liderança desse programa habitacional. Ele está sendo prestigiado junto à equipe econômica do governo que tem dado força a essa importante área social”, disse.

Além da ampliação do programa habitacional, o governo Temer pretende dobrar o crédito destinado a micro e pequenas empresas. A ideia é dobrar o percentual da aplicação obrigatória dos bancos em microcrédito, que hoje é de 2% do recolhimento compulsório sobre depósitos à vista junto ao Banco Central.

Max filho ressaltou a importância das políticas de incentivo para a superação da atual crise econômica. “A agenda econômica já começa a dar sinais de que vamos retomar o crescimento do Brasil. É preciso que a política deixe de atrapalhar a economia”, concluiu.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2hrDG0i