Notícias

Tasso Jereissat fez um balanço dos seus anos de política no Ceará e afirmou que não pretende se candidatar novamente a um cargo eletivo.

Há 30 anos, Tasso Jereissat era eleito para mudar a história do Ceará

Há 30 anos, o hoje senador Tasso Jereissati (PSDB),  era eleito pela primeira vez governador do Ceará. Historiadores lembram o momento como um marco por tirar os coronéis do poder e por representar o nascimento de uma política moderna e desenvolvimentista. Em entrevista publicada nesta terça-feira (15) pelo jornal O Povo,  o tucano fez um balanço dos seus anos de política no Ceará e afirmou que não pretende se candidatar novamente a um cargo eletivo.

Há 30 anos, Tasso Jereissat era eleito para mudar a história do Ceará

Há 30 anos, o hoje senador Tasso Jereissati (PSDB),  era eleito pela primeira vez governador do Ceará. Historiadores lembram o momento como um marco por tirar os coronéis do poder e por representar o nascimento de uma política moderna e desenvolvimentista.

Em entrevista publicada nesta terça-feira (15) pelo jornal O Povo,  o tucano fez um balanço dos seus anos de política no Ceará e afirmou que não pretende se candidatar novamente a um cargo eletivo. O tucano também avaliou o cenário atual do governo do Estado e disse que houve retrocessos. Para ele, não há mais espaço para “governos medíocres no Ceará”.

Tasso Jereissati governou o Estado por duas vezes. Durante a entrevista ele lembrou da sua primeira campanha eleitoral e de como a população ansiava por um representante com ideias diferentes. “Foi uma campanha inesquecível para mim, porque a estrutura que nós tínhamos era mínima e a adesão da população foi com um entusiasmo inacreditável. Ganhamos com essa responsabilidade, de poder responder à esperança e à expectativa que o povo do Ceará tinha”, disse.

O cientista político da Universidade Federal do Ceará (UFC), Valmir Lopes, considera o tucano um dos principais líderes políticos do país e afirmou que sua força política era inquestionável e perdura até hoje no modelo de gestão do Estado. “Todos os políticos que surgiram depois de alguma forma são devedores da política criada por ele”, afirmou.

Outro especialista, o historiador Airton de Farias, elogiou o modelo fiscal e tributário adotado por Tasso e ressaltou que as mudanças trazidas por ele duram até hoje. Já o ex-aliado Gonzaga Mota, acredita que ele continua sendo um líder importante do Ceará. “Faz parte da vida pública”, disse.

O tucano criticou a falta de oposição no governo do Estado e ressaltou a importância de ideias políticas opostas para o exercício de um governo democrático. “Um governo sem oposição é um passo para a arrogância, para a prepotência e para o desmando. Há algum tempo, o Ceará está com um governo sem oposição, que é aniquilada ou cooptada”, explicou.

O senador afirmou que o que mais marcou o seu governo foi a mudança na mentalidade e na maneira de administrar. Ele mencionou a responsabilidade fiscal e o cuidado com o dinheiro público como alicerces da sua administração e criticou a falta desses valores na atualidade.

“Hoje há uma disciplina fiscal, mas não há uma rigidez nos investimentos que realmente darão retorno para a maioria da população e quais são as prioridades. Acho que a responsabilidade fiscal praticamente se consolidou, há uma consciência social que também se consolida”, avaliou o tucano.

Tasso ressaltou sua vontade de renovar a política do Ceará e disse que esse é seu último projeto pessoal. “O Ceará precisa de pulos, precisa dar um saltos, porque nós temos um processo social e econômico muito atrasado, e para recuperar esse tempo perdido nós precisamos dar saltos e ousadia para romper parâmetros que estão aí hoje”, concluiu.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2f3JWMk