Notícias

Iniciativas do governo Temer na área social contradizem discurso petista, diz deputado

O governo do presidente Michel Temer deve anunciar ainda neste semestre uma série de iniciativas na área social que deverão lançar e consolidar marcas próprias de sua gestão. O roteiro traçado prevê a divulgação de um plano de inclusão produtiva para beneficiários do Bolsa Família, a criação de centros de acolhimento para crianças com microcefalia e a apresentação de um programa nacional de alfabetização.

Brasília (DF) – O governo do presidente Michel Temer deve anunciar ainda neste semestre uma série de iniciativas na área social que deverão lançar e consolidar marcas próprias de sua gestão. O roteiro traçado prevê a divulgação de um plano de inclusão produtiva para beneficiários do Bolsa Família, a criação de centros de acolhimento para crianças com microcefalia e a apresentação de um programa nacional de alfabetização. As informações são de reportagem publicada nesta segunda-feira (09) pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Para o deputado federal Marco Tebaldi (PSDB-SC), as iniciativas contradizem o discurso repetido à exaustão por muitas lideranças petistas de que, uma vez no governo, a equipe de Temer seria responsável pela redução ou encerramento dos programas sociais brasileiros. O que aconteceu foi justamente o contrário: os programas estão sendo ampliados e melhorados.

“Com certeza, esses anúncios que serão feitos quebram aquele velho discurso dos petistas de que o governo Temer não estimula a área social. O PT, como sempre, optou pela estratégia do medo, mas o tiro saiu pela culatra. A verdade é que o governo sempre teve a área social como uma de suas prioridades, e essas novas medidas vão ajudar bastante gente”, disse o tucano.

Umas das principais iniciativas previstas pelo governo Temer para 2017 é o lançamento de um plano de inclusão produtiva para beneficiários do Bolsa Família, com investimento previsto de R$ 100 milhões neste ano. Serão distribuídos prêmios de R$ 100 mil a R$ 1 milhão para as prefeituras cujos municípios consigam a maior proporção de beneficiários emancipados do Bolsa Família. A medida também prevê mudanças nos cursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), para que as aulas sejam combinadas com as demandas locais, e a criação de um fundo de aval para o microcrédito, para que as pessoas mais pobres consigam créditos para montar seus próprios negócios a juros baixos.

O programa Criança Feliz, lançado em 2016, também deverá ter o seu orçamento aumentado. O montante previsto para 2017 é de R$ 350 milhões, que se juntam aos R$ 21 milhões já investidos no ano passado. As estimativas do governo são de que, até o final do ano, 2 mil municípios já tenham aderido ao programa, voltado para a primeira infância.

Também estão nos planos o lançamento de um programa nacional de alfabetização e outro para a formação de professores. A União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e a Confederação Nacional de Municípios (CNM) serão consultadas para a finalização das propostas.

“São boas iniciativas que o governo está promovendo na contrapartida de medidas mais polêmicas como o ajuste fiscal, como as reformas que estão sendo propostas, que são duras, mas necessárias para a recuperação da nossa economia. Essas propostas na área social são boas e importantes para atender às pessoas que mais precisam. Devem ter o nosso apoio e o de toda a sociedade”, completou Tebaldi.

Leia AQUI a íntegra da reportagem do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2jyqlHV