Notícias

Justiça bloqueia R$ 102,6 milhões das contas do PT, do ex-tesoureiro Vaccari e do ex-ministro Paulo Bernardo

Responsável pela Operação Custo Brasil, desdobramento da 18ª fase da Lava Jato, o juiz federal Paulo Bueno de Azevedo bloqueou mais de R$ 102,6 milhões das contas do Partido dos Trabalhadores, do ex-tesoureiro da legenda, João Vaccari Neto, e do ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo. O PT e o ex-ministro teriam sido beneficiados por desvios em contratos de crédito consignado intermediados pela empresa Consist, que prestava serviços de informática, entre 2010 e 2015.

5 de julho de 2016

Brasília (DF) – Responsável pela Operação Custo Brasil, desdobramento da 18ª fase da Lava Jato, o juiz federal Paulo Bueno de Azevedo bloqueou mais de R$ 102,6 milhões das contas do Partido dos Trabalhadores, do ex-tesoureiro da legenda, João Vaccari Neto, e do ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo. O PT e o ex-ministro teriam sido beneficiados por desvios em contratos de crédito consignado intermediados pela empresa Consist, que prestava serviços de informática, entre 2010 e 2015.

As informações são de reportagem publicada nesta terça-feira (5) pelo portal G1. Segundo a Procuradoria-Geral da República (PGR), a Consist cobrava a mais nos contratos e repassava 70% do seu faturamento extra para políticos e para o PT. A propina teria chegado a cerca de R$ 100 milhões. O esquema envolveu pessoas ligadas a funcionários e agentes públicos do Ministério do Planejamento.

A decisão que bloqueou os R$ 102,6 milhões foi tomada no dia 3 de junho, mas só foi divulgada nesta terça-feira porque estava sob sigilo da Justiça. O juiz atribuiu a dois delatores a informação de que o ex-tesoureiro João Vaccari Neto seria o mentor do esquema de desvio de recursos, que teria como principal beneficiário o PT. O dinheiro superfaturado era usado para abastecer os cofres do partido e para pagar propinas a beneficiários como o ex-ministro Paulo Bernardo.

Para o deputado federal Nilson Leitão (PSDB-MT), a decisão do juiz federal foi acertada e só confirma a degradação do Partido dos Trabalhadores.

“Confirma o que já era o discurso de todos nós há muito tempo: toda essa operação, esse duto criado entre o dinheiro público e o caixa do PT, é para fazer campanha eleitoral. O problema é que eles, além de desviarem dinheiro público para fazer campanha eleitoral, também começaram a desviar para benefício pessoal. O juiz tomou uma atitude correta porque está bloqueando aquilo que é público, dinheiro público que foi desviado. Ele foi exatamente na fonte para onde foi o dinheiro, não precisou buscar em outro lugar”, afirmou.

O parlamentar destacou que o PT foi o grande beneficiário do esquema de corrupção descoberto pela Operação Custo Brasil. Ele criticou ainda o desvio de recursos provenientes de crédito consignado. O sistema de empréstimos é uma alternativa buscada por grande parte dos brasileiros para complementar sua própria renda.

“Isso [desvio do crédito consignado] que é pior. Quem pega dinheiro emprestado é porque está precisando. Isso é uma coisa absurda. O PT perdeu totalmente o seu sentimento de humanismo, toda a sua ética. A coisa mais incrédula que aconteceu no mundo político foi essa presença do PT no governo. Roubou de todos, sem exceção”, completou o tucano.

Leia AQUI a íntegra da reportagem do portal G1.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/29ovI4L