Notícias

Lava Jato investiga R$ 52 milhões movimentados por empresa de palestras de Lula

A Operação Lava Jato analisa a movimentação de R$ 52,3 milhões registrada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por meio de sua empresa de palestras, a LILS Palestras, Eventos e Publicações, entre 2011 e 2015. A força-tarefa suspeita que o petista tenha feito um saque de R$ 5,3 milhões a título de lucro em 2014, ano em que a fase ostensiva da Lava Jato foi deflagrada.

29 de setembro de 2016

A Operação Lava Jato analisa a movimentação de R$ 52,3 milhões registrada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por meio de sua empresa de palestras, a LILS Palestras, Eventos e Publicações, entre 2011 e 2015. A força-tarefa suspeita que o petista tenha feito um saque de R$ 5,3 milhões a título de lucro em 2014, ano em que a fase ostensiva da Lava Jato foi deflagrada. As informações são de matéria do jornal O Estado de S. Paulo publicada nesta quinta-feira (29).

“A LILS Palestras, Eventos e Publicações distribuiu a Lula, a título de lucro, R$ 7.589.936,14, ou seja, 36% do total auferido pela entidade no período (destacando-se que a maior retirada, de R$ 5.670.270,72 aconteceu em 2014, ano da deflagração da fase ostensiva da ‘Operação Lava Jato’)”, destacam os procuradores na denúncia contra o ex-presidente.

A reportagem do Estadão ressalta que a Lava Lato suspeita que pagamentos pelas palestras feitas por Lula podem ter ocultado propinas do esquema de corrupção instalado na Petrobras. A Operação já identificou que R$ 9,9 milhões recebidos pela empresa são originários de seis empreiteiras acusadas de cartel e corrupção na estatal: Odebrecht, Queiroz Galvão, OAS, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e UTC.

“Lula manteve relação próxima com diversos executivos dessas companhias. Além da proximidade, identificou-se que o Instituto Luiz Inácio Lula da Silva e a L.I.L.S., entidades em que Lula é a figura máxima, receberam aportes multimilionários das empreiteiras participantes da organização criminosa”, diz a denúncia.

Clique aqui para ler a matéria do Estadão.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2dwzgI4