Notícias

Macris rechaça tentativa de Lula articular votos a favor de Dilma

O medo do resultado do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, atualmente em análise no Senado Federal, levou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a viajar a Brasília, nesta quarta-feira (06), para articular votos a favor da petista. O discurso escolhido por Lula é de que, caso Dilma Rousseff retorne ao Palácio do Planalto, o governo será “diferente” e contará com a sua presença no comando. O petista também promete mudanças imediatas na política econômica.

6 de julho de 2016

Brasília (DF) – O medo do resultado do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, atualmente em análise no Senado Federal, levou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a viajar a Brasília, nesta quarta-feira (06), para articular votos a favor da petista. O discurso escolhido por Lula é de que, caso Dilma Rousseff retorne ao Palácio do Planalto, o governo será “diferente” e contará com a sua presença no comando. O petista também promete mudanças imediatas na política econômica.

As informações são de reportagem desta quarta do jornal Folha de S. Paulo. Segundo a publicação, Lula teria se convencido de que nem mesmo a proposta de realizar um plebiscito para novas eleições presidenciais seria suficiente para garantir apoio a Dilma, que precisa do voto favorável de pelo menos 27 dos 81 senadores da República.

O deputado federal Vanderlei Macris (PSDB-SP) rechaçou o discurso e a tentativa de Lula de angariar apoio a Dilma Rousseff. Para ele, o Brasil já andou para frente e não pode regredir.

“A presidente Dilma, quando se encontra nesta altura do campeonato com o ex-presidente Lula, é um abraço de afogados. O Brasil já andou para frente, o Brasil já caminhou, o Brasil já está em uma outra situação. Na minha opinião, não tem como Dilma Rousseff voltar a ser presidente exatamente porque o país já andou, já caminhou em uma direção contrária àquilo que foi a tragédia da gestão ao longo da sua presença na Presidência da República”, afirmou.

O parlamentar destacou o discurso de Lula como “protelatório”, já que nem ele nem Dilma Rousseff possuem força política suficiente para reverter o afastamento definitivo da petista.

“A vinda do ex-presidente Lula para Brasília simplesmente não terá nenhuma consequência, porque a situação de ambos, tanto de Lula quanto de Dilma hoje, é de uma presença desqualificada na vida política brasileira. Eles não terão força suficiente para poder mudar a história que já avançou e já caminha na direção contrária daquilo que eles sempre defenderam. Qualquer iniciativa, qualquer proposta neste momento, é simplesmente protelatória, que não tem um fundo de interesse nacional, como não teve de resto toda a gestão do ex-presidente Lula, da presidente afastada Dilma e do PT no governo”, salientou.

O tucano acrescentou que o ex-presidente Lula não tem credibilidade para interferir na política do país, especialmente quando o seu nome está envolvido em investigações como a da Operação Lava Jato, e nem para prometer mudanças na área econômica, já que foi a gestão petista que conduziu o país à pior recessão dos últimos 25 anos.

“O clima no Brasil já mudou. O fato de tirarem do poder a presidente Dilma e o PT mostra isso. E vai mudar para melhor ainda depois da decisão do Senado Federal, que com certeza será pelo afastamento de Dilma da Presidência da República de forma definitiva”, completou Macris.

Leia AQUI a íntegra da matéria do jornal Folha de S. Paulo.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/29nzXPn