Notícias

O juiz Sergio Moro marcou para o período entre 21 e 25 de novembro as primeiras audiências do processo da Operação Lava Jato que investiga o ex-presidente Lu...

Moro marca para novembro audiências de 10 delatores em processo contra Lula

O juiz Sergio Moro marcou para o período entre 21 e 25 de novembro as primeiras audiências do processo da Operação Lava Jato que investiga o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Serão ouvidos 10 delatores, além do ex-deputado Pedro Corrêa e do pecuarista José Carlos Bumlai, como testemunhas de acusação em ação penal na qual o petista é réu na Lava Jato. Lula é acusado dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no esquema de cartel e propinas na Petrobrás.

O juiz Sergio Moro marcou para o período entre 21 e 25 de novembro as primeiras audiências do processo da Operação Lava Jato que investiga o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Serão ouvidos 10 delatores, além do ex-deputado Pedro Corrêa e do pecuarista José Carlos Bumlai, como testemunhas de acusação em ação penal na qual o petista é réu na Lava Jato. Lula é acusado dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no esquema de cartel e propinas na Petrobrás.

Apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) e aceita por Moro no dia 20 de setembro, a denúncia acusa o petista de ter recebido R$ 3,7 milhões em propinas de contratos entre a construtora OAS e a Petrobras, de um valor total de R$ 87 milhões. As informações são de matéria do portal G1 publicada nesta sexta-feira (28). Segundo a Polícia Federal, a propina paga pela OAS a Lula se deu por meio da reforma do tríplex do Guarujá (SP) e no custeio do armazenamento de bens de Lula em um depósito da empresa Granero.

Entre as testemunhas que serão ouvidas pela Justiça Federal do Paraná, estão os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró, o senador cassado Delcídio do Amaral, o doleiro Alberto Youssef e o lobista Fernando Baiano.

Em seu despacho, Moro negou qualquer possibilidade de cancelamento do processo contra o ex-presidente e afirmou que não analisará as afirmações de Lula sobre o mérito da ação.

“Quanto às alegações de que as acusações seriam frívolas, fictícias, político-partidária, fundamentalistas ou que haveria ‘lawfare’ contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, entre outras, trata-se igualmente de questões de mérito revestidas de excesso retórico. Não cabe, reitere-se, análise de mérito nessa fase”, ressaltou Moro.

Clique aqui para ler a matéria do G1.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2fvZhH8