Notícias

Ministério Público suspeita da participação de funcionários do governo de Angola no esquema de corrupção que envolve financiamentos do BNDES.

MPF suspeita de participação de Angola em esquema de corrupção

O Ministério Público Federal no Distrito Federal suspeita da participação de funcionários do governo de Angola no esquema de corrupção que envolve financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em obras no país. Os investigadores ressaltaram a “necessidade de prosseguir apurando condutas” de algumas pessoas no caso, entre elas agentes públicos do Brasil e de Angola.

MPF suspeita de participação de Angola em esquema de corrupção

Brasília (DF) – O Ministério Público Federal no Distrito Federal suspeita da participação de funcionários do governo de Angola no esquema de corrupção que envolve financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em obras no país. Os investigadores ressaltaram a “necessidade de prosseguir apurando condutas” de algumas pessoas no caso, entre elas agentes públicos do Brasil e de Angola.

As informações são de reportagem desta segunda-feira (24) do jornal Valor Econômico. Segundo o Ministério Público, “o esclarecimento completo dessas condutas, que demanda, por exemplo, atos de cooperação internacional, deverá ser realizado no bojo de novos inquéritos policiais/procedimentos ministeriais”.

No Brasil, a investigação virou uma ação penal, a terceira a que responde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para o MPF, entre 2008 e 2010, enquanto era agente público, Lula teria cometido crime de corrupção passiva. Já entre 2011 e 2015, como ex-presidente, é acusado de tráfico de influência. O petista também deverá responder pelos crimes de lavagem de dinheiro e organização criminosa.

De acordo com o BNDES, entre 2007 e 2015, a Odebrecht contratou US$ 3,333 bilhões para obras em Angola. Incluídos nesse montante estão financiamentos para duas hidrelétricas, Cambambe e Laúca, que somam mais de US$ 1 bilhão. As obras estão na mira do MPF. Os procuradores suspeitam de superfaturamento.

Vale destacar ainda que, entre 2011 e 2014, a Odebrecht obteve, junto ao BNDES, 52 financiamentos, empréstimos ou aditamentos de contratos para órgãos e empresas de países da América Latina e África, em um total de US$ 7,44 bilhões.

Leia AQUI a íntegra da reportagem do jornal Valor Econômico.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2f9vtzE