Notícias

Para Izalci, Temer corrigiu um “equívoco” ao revogar decreto de Dilma sobre Forças Armadas

O presidente em exercício, Michel Temer, assinou, nesta sexta-feira (1°), decreto que devolve poderes administrativos às Forças Armadas. De acordo com matéria da revista Veja, a medida revoga o decreto 8.515, assinado pela presidente afastada Dilma Rousseff em setembro de 2015, que retirava dos militares a competência para atos relacionados à instituição e os delegava ao então ministro da Defesa, Jaques Wagner.

1 de julho de 2016

O presidente em exercício, Michel Temer, assinou, nesta sexta-feira (1°), decreto que devolve poderes administrativos às Forças Armadas. De acordo com matéria da revista Veja, a medida revoga o decreto 8.515, assinado pela presidente afastada Dilma Rousseff em setembro de 2015, que retirava dos militares a competência para atos relacionados à instituição e os delegava ao então ministro da Defesa, Jaques Wagner.

Para o deputado federal Izalci Lucas (PSDB-DF), Temer corrigiu um equívoco cometido pela petista. “Agiu corretamente. Na época que a Dilma tirou a competência dos comandantes fui um dos que critiquei. Se avaliar o comportamento de Dilma nos últimos anos. Foi o período que mais teve desconsideração e defasagem salarial das Forças Armadas. Essa foi mais uma atitude de enfraquecimento das Forças e o que Temer fez foi revogar o que já existia há anos e que a Dilma tentou mudar equivocadamente. Agora está sendo corrigida essa iniciativa equivocada”, ponderou o tucano.

Durante o ato, Temer disse que é preciso “democratizar e reconstitucionalizar o país”. Segundo a revista, Dilma formalizou o decreto na época sem consultar as três Forças Armadas, que receberam a notícia com reserva e incompreensão, criando desconforto entre o Planalto e os militares. Com a revogação, o presidente em exercício restitui aos comandantes da Marinha, Exército e Aeronáutica atribuições como transferir oficiais para a reserva remunerada, promover agentes a cargos superiores e indicar capelães militares.

Clique aqui para ler a íntegra da matéria.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/29onRpJ