Números

Após Dilma, governo federal reduz gastos administrativos em 12%

O governo federal economizou R$ 2,26 bilhões até setembro deste ano, uma redução de 12% nas despesas administrativas em relação ao ano passado. Enquanto em 2016 o governo gastou R$ 16,44 bilhões de janeiro a setembro, em 2015 o valor consumido nesse mesmo período foi de R$ 17,51 bilhões, como revela reportagem do jornal Estado de S. Paulo. Os dados foram anunciados nesta quinta-feira (27) pelo ministro interino do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo de Oliveira, e estão no Boletim de Despesas de Custeio Administrativo do terceiro trimestre, elaborado pela pasta.

O governo federal economizou R$ 2,26 bilhões até setembro deste ano, uma redução de 12% nas despesas administrativas em relação ao ano passado. Enquanto em 2016 o governo gastou R$ 16,44 bilhões de janeiro a setembro, em 2015 o valor consumido nesse mesmo período foi de R$ 17,51 bilhões, como revela reportagem do jornal Estado de S. Paulo. Os dados foram anunciados nesta quinta-feira (27) pelo ministro interino do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo de Oliveira, e estão no Boletim de Despesas de Custeio Administrativo do terceiro trimestre, elaborado pela pasta.

Para o deputado federal Caio Narcio (PSDB-MG), a medida de austeridade é o diferencial da nova administração federal e demonstra a responsabilidade do governo com o dinheiro público.

“É gastar mais com o povo e menos com administração pública, menos com mau investimento. Essa é uma diferença entre tantas outras do governo, que tem tido a palavra e postura correta de austeridade. Aos poucos, as notícias boas vão chegando e essa é uma delas”, afirmou.

O ministro do Planejamento disse que o resultado faz parte de um conjunto de ações adotadas nos últimos meses para reduzir o custo de funcionamento do governo federal. De acordo com o boletim, a maior economia foi registrada nos gastos com material de consumo, com redução de 23,7% no ano. Dyogo Oliveira afirmou que houve uma reorganização nas despesas com itens como passagem e transporte e contratações no serviço público. Para Caio Narcio, essa conduta de revisão dos gastos deve ser permanente.

“É uma resposta imediata ao momento de crise, mas é uma medida que precisa perseverar como conduta do governo por todo tempo. Essa é uma conduta de quem gasta certo, com qualidade, melhora os custos do governo e dá mais benefícios para o cidadão. Deve e precisa ser permanente.”

A redução de despesas também foi verificada nos últimos 12 meses, passando de R$ 37,39 bilhões até setembro de 2015 para R$ 33,67 bilhões em setembro deste ano. O resultado representa uma economia de 10%.

Clique aqui para ler a íntegra da reportagem do Estado de S. Paulo.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2eXY3Bs