Números

Efeito da gestão PT: recuperações judiciais batem recorde

As empresas brasileiras estão enfrentando uma prolongada recessão. De acordo com pesquisa da Serasa, os pedidos de recuperações judiciais bateram recorde neste ano. Somente no mês de setembro, 244 empresas entraram com a ação. Essa é uma medida para evitar a falência das empresas brasileiras. É solicitada quando elas perdem a capacidade de pagar as próprias dívidas. Nos últimos 9 meses, cerca de 1.400 companhias já decretaram falência.

5 de outubro de 2016

As empresas brasileiras estão enfrentando uma prolongada recessão. De acordo com pesquisa da Serasa, os pedidos de recuperações judiciais bateram recorde neste ano. Somente no mês de setembro, 244 empresas entraram com a ação. Essa é uma medida para evitar a falência das empresas brasileiras. É solicitada quando elas perdem a capacidade de pagar as próprias dívidas. Nos últimos 9 meses, cerca de 1.400 companhias já decretaram falência. O economista e deputado federal Rogério Marinho, do PSDB do Rio Grande do Norte, aponta que a situação é consequência de uma política econômica desequilibrada que foi implantada ao longo dos anos de gestão do PT.

“O importante para que a população nos entenda aqui, é que na hora em que o pedido de recuperação judicial, fechamento de empresas, e desemprego, e recessão e essa dificuldade econômica que nós estamos vivendo, é fruto de uma herança maldita do governo do Partido dos Trabalhadores. Que utilizou, largamente, instrumentos irresponsáveis na condução da nossa política econômica”, disse o deputado.

Rogério Marinho também defendeu a aprovação da PEC 241/16 para recuperar o equilíbrio econômico do Brasil. A medida estabelece um teto para os gastos públicos no país.

“É importante dizer que nós estamos vivendo em um momento muito delicado na história do país, e esse momento se reflete uma discussão que tá ocorrendo aqui no Congresso Nacional, em função da PEC 241. Essa PEC reorganiza nosso sistema tributário e fiscal definindo uma questão que aparentemente é óbvia. Ou seja, o governo vai gastar o que arrecada e caso haja superávit, isso vai ser usado para abater o serviço da dívida pública, que já chegou a níveis estratosféricos – quase 70% do nosso Produto Interno Bruto”, destacou.

De janeiro a setembro, a quantidade de pedidos cresceu 62% frente ao mesmo período de 2015. As micro e pequenas empresas foram as que mais entraram com pedido de recuperação judicial nesse período.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2duW8YS