Números

IBGE divulgou dados da população que está fora da força de trabalho. Recessão afeta em cheio este grupo de pessoas que estão sem emprego.

Efeito PT: desocupados e que não procuram emprego já são 6,2 milhões

O IBGE divulgou nesta semana, pela primeira vez, dados da população que está fora da força de trabalho. São 6,2 milhões as pessoas, segundo o instituto, que estão desocupadas e não estão procurando emprego. Esse grupo é classificado pelo órgão como “desalentado” e não é contabilizado na estatísticas dos desempregados. O economista e deputado federal Giuseppe Vecci, do PSDB de Goiás, explica como a recessão econômica afeta esse grupo de pessoas.

Efeito PT: desocupados e que não procuram emprego chega a 6,2 milhões
14 de outubro de 2016

O IBGE divulgou nesta semana, pela primeira vez, dados da população que está fora da força de trabalho. São 6,2 milhões as pessoas, segundo o instituto, que estão desocupadas e não estão procurando emprego. Esse grupo é classificado pelo órgão como “desalentado” e não é contabilizado na estatísticas dos desempregados. O economista e deputado federal Giuseppe Vecci, do PSDB de Goiás, explica como a recessão econômica afeta esse grupo de pessoas.

“Quando a economia não cresce, quando não há geração de renda, quando o poder público absorve a maioria dos recursos de impostos arrecadados, o país não consegue gerar uma quantidade de renda de emprego que possa absorver quem está apto ao trabalho”, disse o tucano.

A presença dessas pessoas no mercado tornaria ainda maior a taxa de desemprego, que atualmente está em 11,8%. Grande concorrência e desânimo com a falta de vagas são apontados como os principais motivos para a desistência na busca por emprego. Giuseppe Vecci avalia que o governo do PT é o responsável pela falta de esperança em relação ao trabalho no Brasil.

“Isso demonstra o grande buraco, a grande confusão em que o governo do PT, os governos anteriores nos meteram, no sentido de cada vez mais dificultar por uma política econômica equivocada e dificultar a geração de riquezas do país”, declarou o parlamentar.

Com o aumento de pessoas que não trabalham e nem procuram emprego, a população economicamente ativa foi reduzida. O recuo foi de 2,2% no trimestre encerrado em agosto, em comparação com o mesmo período de 2015.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2dYCRze