Números

Aneel prevê que conta de luz deve ficar até 5%. A gestão da petista não pagou indenizações e distribuidoras vão repassar rombo ao consumidor.

Erros de Dilma no setor elétrico vão aumentar conta de luz em 2017

Algumas cicatrizes deixadas pela Medida Provisória 579, que regulamentou a política energética adotada durante o governo Dilma Rousseff para reduzir artificialmente as contas de luz, ainda estão abertas. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prevê que as tarifas de energia podem ficar até 5% mais caras em 2017. Isso porque, desde 2013, a gestão da petista não pagou indenizações bilionárias às empresas transmissoras de energia. Com isso, o equilíbrio estrutural do setor elétrico ficou ameaçado.

Erros de Dilma no setor elétrico vão aumentar conta de luz em 2017
11 de outubro de 2016

Algumas cicatrizes deixadas pela Medida Provisória 579, que regulamentou a política energética adotada durante o governo Dilma Rousseff para reduzir artificialmente as contas de luz, ainda estão abertas. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prevê que as tarifas de energia podem ficar até 5% mais caras em 2017. Isso porque, desde 2013, a gestão da petista não pagou indenizações bilionárias às empresas transmissoras de energia. Com isso, o equilíbrio estrutural do setor elétrico ficou ameaçado.

Para continuar em operação, essas distribuidoras devem repassar o rombo aos consumidores, com juros que fazem o montante de dívidas chegar a R$ 10 bilhões. O valor corresponde à quantia de R$ 4,4 bilhões que o governo decidiu cortar da receita das transmissoras em 2013, para então anunciar a redução nas contas de luz. O desconto, no entanto, só foi sustentado até 2014, logo após o período eleitoral.

O senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) lamenta que o erro do governo anterior impacte negativamente o consumidor.

“Isso trouxe, ao longo do tempo, uma situação de total incapacidade das transmissoras terem seus custos arcados com as tarifas, e o governo teria que cobrir esse rombo que chegava a bilhões de reais. Nós sempre dissemos que, ao final, quem pagaria essa conta seriam todos os brasileiros, os consumidores. E é isso que a Aneel está mostrando.”

Para Flexa, o rombo é a prova de que a medida não passou de “estelionato eleitoral”. “Isso se deve a uma ação midiática, como todas as da ex-presidente Dilma Rousseff. Lá atrás, ela editou uma medida provisória em que anunciou em rede nacional que iria reduzir em 20% o preço da tarifa de energia e que desestruturou o setor elétrico nacional.”

A previsão para pagamento dos juros da dívida com as transmissoras, segundo a Aneel, é de oito anos. O governo também deve às empresas indenizações relacionadas a investimentos em melhoria e expansão de linhas e subestações.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2dUXKb2