Números

Força nas urnas: PSDB lidera pesquisas para a prefeitura de cinco capitais brasileiras

A força do PSDB nas urnas tem se confirmado a cada dia no desempenho do partido nas capitais brasileiras, o melhor entre as siglas do país. A legenda lidera as pesquisas eleitorais de candidatos a prefeito em cinco capitais: Belo Horizonte (MG), Manaus (AM), São Paulo (SP), Maceió (AL) e Teresina (PI). Segundo reportagem publicada nesta sexta-feira (23) pelo jornal O Globo, o PMDB aparece em segundo lugar, com a vantagem de seus candidatos em três capitais – Goiânia (GO), Florianópolis (SC) e Boa Vista (RR).

23 de setembro de 2016

Brasília (DF) – A força do PSDB nas urnas tem se confirmado a cada dia no desempenho do partido nas capitais brasileiras, o melhor entre as siglas do país. A legenda lidera as pesquisas eleitorais de candidatos a prefeito em cinco capitais: Belo Horizonte (MG), Manaus (AM), São Paulo (SP), Maceió (AL) e Teresina (PI).

Segundo reportagem publicada nesta sexta-feira (23) pelo jornal O Globo, o PMDB aparece em segundo lugar, com a vantagem de seus candidatos em três capitais – Goiânia (GO), Florianópolis (SC) e Boa Vista (RR). Já o Partido dos Trabalhadores reflete nas pesquisas eleitorais o desgaste projetado por seus principais líderes, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, réu na Operação Lava Jato, e a ex-presidente Dilma Rousseff, afastada do cargo em um processo de impeachment. O partido aparece à frente nas pesquisas em apenas uma capital, Rio Branco (AC).

Em São Paulo, pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (22) mostra o tucano João Doria à frente da disputa pela capital paulista com 25% dos votos, seguido pelo agora segundo colocado Celso Russomano (PRB) e por Marta Suplicy (PMDB) – os três empatados tecnicamente.

O líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA), ressaltou ao jornal O Globo que “o PSDB sairá dessas eleições robustecido, não apenas nas regiões onde já tem posição consagrada, como também em outras, com destaque para o Nordeste”.

O senador Dalírio Beber (SC) atribuiu o bom desempenho do PSDB nas capitais à integridade passada pelo partido, que desde o processo eleitoral de 2014 procurou informar a nação brasileira sobre as dificuldades que o país poderia viver na sequência, por conta dos desmandos e da política econômica desacertada dos governos petistas.

“Todas aquelas benesses que o governo procurou difundir durante os anos de PT na verdade não estavam equilibradas em cima de um crescimento sólido da nação brasileira. O resultado é tudo aquilo que hoje nós constatamos: 12 milhões de pessoas desempregadas. Só de desempregados produzidos agora, no ano passado, foram 1,5 milhão. Nesse ano de 2016, estamos chegando à faixa de mais de 1 milhão de pessoas desempregadas. Todo esse desacerto fez com que o eleitor começasse a refletir e verificasse que o PSDB é, de fato, um partido estruturado e confiável”, avaliou.

“Por isso nós estamos tendo bons indicativos de performance nas capitais do país, a começar por São Paulo, que é a maior cidade do Brasil, bem como também em cidades menores e não menos importantes. Posso citar até o exemplo de Santa Catarina. Nós devemos emergir das urnas, no próximo dia 02 de outubro, como o partido que mais cresceu no estado, em função da perspectiva que temos em cidades como Joinville, com o nosso deputado federal Marco Tebaldi, em cidades como Criciúma, com o nosso ex-prefeito Clésio Salvaro, em Tubarão, Blumenau, na cidade de Lages, importantes no cenário catarinense e que expressam mais ou menos o sentimento que também é vivenciado em outras regiões do país”, acrescentou.

Derrocada petista

Para Dalírio Beber, a flagrante distinção entre os desempenhos de PSDB e PT reforça ainda mais o desgaste político do partido de Lula e Dilma, corroído pela incompetência com que geriu a economia e pela falta de ética em seus quadros, implicados nos maiores escândalos de corrupção da história brasileira: o Mensalão e o Petrolão, investigado pela Operação Lava Jato.

“Não resta dúvidas de que o PT está vivendo um profundo desgaste em função dos desacertos, não só a nível de política econômica, mas inclusive nessa questão ética. Afinal de contas, chegaram à Presidência da República com um discurso de que eles estavam acima do bem e do mal. Lamentavelmente, eles estavam em um processo apenas de poder, não estavam preocupados em administrar com solidez a economia brasileira para que ela não tivesse solavancos, para que ela tivesse um crescimento gradativo, seguro, constante, de forma sustentável”, afirmou o tucano.

O senador destacou que o Brasil viveu a ilusão de tempos de “euforia e bonança” quando, na verdade, tudo isso se criou em cima de dados e estatísticas falsas.

“A contabilidade criativa produziu um grande mal à nação brasileira. Lamentavelmente, até o setor produtivo foi iludido, de certa forma convencido de que, de fato, o PT com sua política econômica estava dando um avanço, um empuxo positivo para a economia brasileira. Mas era tudo feito em cima de areia, um castelo de areia, e por isso, tão logo deu a primeira chuva, desmoronou. A cada dia é um fato novo, uma revelação nova, que mostra de fato que o projeto do PT era um projeto meramente de poder”, completou o parlamentar.

Leia AQUI a íntegra da reportagem do jornal O Globo.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2dtkBck