Números

No pós-Dilma, produção industrial atinge alta em novembro

O início da recuperação da economia brasileira após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff já tem efeitos na indústria do país. A produção industrial cresceu 0,2% em novembro na comparação com outubro, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado divulgado nesta quinta-feira (5) apontou alta na maioria dos segmentos, com destaque para o avanço de 6,1% da produção de veículos, seguido pelo aumento de 1,5% das indústrias extrativas e do crescimento de 6,6% de equipamentos de informática.

Brasília (DF) – O início da recuperação da economia brasileira após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff já tem efeitos na indústria do país. A produção industrial cresceu 0,2% em novembro na comparação com outubro, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado divulgado nesta quinta-feira (5) apontou alta na maioria dos segmentos, com destaque para o avanço de 6,1% da produção de veículos, seguido pelo aumento de 1,5% das indústrias extrativas e do crescimento de 6,6% de equipamentos de informática.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a produção avançou em 13 dos 24 ramos pesquisados. Entre as grandes categorias econômicas, cresceram as produções de bens de consumo duráveis (4%) e bens de capital (2,5%). O segmento de bens intermediários também aumentou, mas em um ritmo menor (0,5%).

Outras contribuições positivas relevantes sobre o total nacional foram das indústrias extrativas (1,5%), de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (6,6%), de máquinas e equipamentos (2,4%), de confecção de artigos do vestuário e acessórios (4,4%), de produtos de minerais não-metálicos (2,2%) e de produtos de borracha e de material plástico (2,2%).

O gerente da Coordenação de Indústria do IBGE, André Macedo, informou que a produção de automóveis impulsionou o resultado de bens de consumo duráveis no período (4,0%), enquanto que a maior fabricação de caminhões puxou a alta nos bens de capital (2,5%).

Apesar do cenário positivo, a produção caiu 1,1% em relação a novembro de 2015. No ano, a indústria acumula queda de 7,1%. Em 12 meses, o recuo é de 7,5%. Entre os 11 ramos que reduziram a produção em novembro ante outubro, o desempenho de maior impacto foi de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, que recuou 3,3%.

Clique aqui para ler a íntegra da matéria.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2jb6Qkf