Números

Para o economista Raul Velloso, "o governo federal deveria incentivar o setor privado para reverter o cenário de queda nos investimentos".

Raul Velloso: queda do PIB comprova ‘derrocada dos investimentos’

A recessão econômica instaurada no país durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff segue afetando os investimentos da União. Após caírem ao nível de 0,9% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado, mesmo patamar visto em 2008, ano em que a crise mundial se iniciou, os investimentos do governo federal nos primeiros oito meses de 2016 recuaram para apenas 0,58% do PIB estipulado para o ano. Como informa matéria publicada nesta segunda-feira (24) pelo jornal Valor Econômico, os investimentos totais no período foram de R$ 34,269 bilhões.

Raul Velloso: queda do PIB comprova 'derrocada dos investimentos'

A recessão econômica instaurada no país durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff segue afetando os investimentos da União. Após caírem ao nível de 0,9% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado, mesmo patamar visto em 2008, ano em que a crise mundial se iniciou, os investimentos do governo federal nos primeiros oito meses de 2016 recuaram para apenas 0,58% do PIB estipulado para o ano. Como informa matéria publicada nesta segunda-feira (24) pelo jornal Valor Econômico, os investimentos totais no período foram de R$ 34,269 bilhões.

“Os números mostram que há uma derrocada dos investimentos”, destacou à reportagem do Valor o economista Raul Velloso. Na visão dele, o governo federal deve incentivar o setor privado para reverter o cenário de queda nos investimentos. “Temos de criar condições para o setor privado entrar na área e não ficar enrolando”, disse o economista.

Já o economista Samuel Pessôa, da gestora Reliance e do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV), acredita que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que estabelece um limite para os gastos da União de acordo com a inflação dos 12 meses anteriores, pode ter um efeito positivo e ajudar na retomada dos investimentos.

“Ter um limite de gastos vai gerar disciplina, aumento da eficiência dos gastos públicos e um processo orçamentário criterioso. No médio ou longo prazo, haveria mais recursos para investimentos”, ressaltou.

Clique aqui para ler a matéria do Valor Econômico.

Fonte: Site do PSDB

Link para ler no original: http://bit.ly/2dEXfUs